MERCADO FINANCEIRO

Desemprego cai no trimestre terminado em agosto; desocupados somam 12,7 milhões

Prezado leitor, no trimestre terminado em agosto, a população desocupada no Brasil diminuiu em 529 mil pessoas em relação ao trimestre anterior, somando 12 milhões e 700 mil desocupados, uma redução de 0,6 ponto percentual.
No entanto, o período apresentou o maior número de sub-ocupados de toda a série histórica, desde 2012, ou seja, aquelas pessoas que trabalham menos horas do que gostariam ou estariam disponíveis, somando 6 milhões e 700 mil brasileiros. Os dados são da Pnad Contínua, divulgada  pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrando uma taxa de desocupação de 12,1% no Brasil frente aos 12,8% do trimestre anterior.
Os dados não revelam uma recuperação do mercado de trabalho, como explica Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.
A ocupação cresceu 1,3% em relação ao trimestre terminado em maio e 1,1% se comparado ao mesmo trimestre do ano anterior.
A população subutilizada ficou em 27,5 milhões de pessoas, que incluem os sub-ocupados e também os desalentados, pessoas que desistiram de procurar emprego.

Mercado financeiro sobe estimativa de inflação para 4,3% neste ano

A estimativa de instituições financeiras para a inflação neste ano subiu pela terceira vez seguida. De acordo com pesquisa do Banco Central (BC), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em 4,30% em 2018. Para 2019, a estimativa é que a inflação fique em 4,20%.

As instituições financeiras mantiveram a estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em 1,35% neste ano e em 2,5% nos próximos três anos.

Contas de luz continuam com tarifa mais alta em outubro

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou hoje (28) que vai manter a cobrança extra na conta de luz no patamar mais alto em outubro. Desde junho, as contas de luz estão na bandeira vermelha, patamar 2, o que acarreta cobrança extra de R$ 5 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Segundo a agência, a cobrança será mantida porque ainda são desfavoráveis as condições hidrológicas e por causa da queda no nível de armazenamento dos principais reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN). De acordo com a Aneel, apesar da queda do Preço de Liquidação de Diferenças (PLD), o cenário hidrológico foi desfavorável e não se vislumbrou melhora significativa do risco hidrológico (GSF, na sigla em inglês). “O GSF e o PLD são as duas variáveis que determinam a cor da bandeira a ser acionada”, informou a agência.

Em agosto, produção industrial varia -0,3%

Em agosto de 2018, a produção industrial nacional variou -0,3% frente a julho (série com ajuste sazonal), segunda taxa negativa seguida e acumulando nesse período redução de 0,4%. Vale destacar que esse comportamento de queda ocorreu após a atividade industrial recuar 10,9% em maio e crescer 12,7% em junho. No confronto com agosto de 2017 (série sem ajuste sazonal), a indústria cresceu 2,0%, terceiro resultado positivo consecutivo, mas o menos intenso dessa seqüência.

Fonte: BACEN, IBGE, Empresa Brasileira de Comunicação – EBC e Mercado.

Mande sua pergunta/sugestão para o e-mail fontesevaldo@yahoo.com.br e Facebook. – Evaldo Fontes – Consultor de Finanças Pessoais e de Empresas – 032 -98802 6319 / 3251 6319