Nas redes sociais, senadores lamentam novo rompimento de barragem em Minas Gerais

Vários senadores comentaram já na sexta-feira (25), em suas redes sociais, o rompimento de uma barragem da empresa Vale ocorrida em Minas Gerais, no município de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte. A maioria dos senadores recorda o rompimento da barragem na também mineira cidade de Mariana há pouco mais de três anos, considerada uma das maiores tragédias ambientais da história do país.

Pelo Twitter, comentaram os senadores Wilder Morais (DEM-GO), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Elmano Férrer (Pode-PI). O senador Otto Alencar (PSD-BA) também se pronunciou em texto enviado à Agência Senado. Ele afirmou que, na retomada dos trabalhos do Congresso, em 1o de fevereiro, vai propor uma CPI ao Senado para apurar o que aconteceu e “evitar novas catástrofes que ceifam vidas, destroem o meio ambiente, degradam áreas inteiras e comprometem a qualidade da água, ameaçando o abastecimento”.

“É preciso investigar e punir severamente, inclusive, responsabilizando criminalmente”, disse.

No mesmo sentido, a senadora Vanessa prestou solidariedade às vítimas e disse que, após as operações de resgate, será preciso apurar os responsáveis “por mais esta tragédia que atinge famílias, cidades, empresas e o meio ambiente de MG”, para que sejam processados e punidos.

Randolfe afirmou que a história está se repetindo.

“A impunidade no episódio de Mariana e o imobilismo do poder público abriram caminho para que Brumadinho fosse vitimada por mais um desastre ambiental absolutamente evitável”, registrou.

Wilder Morais disse que a tragédia é lamentável e preocupante.

“Mais uma barragem que rompe. Dessa vez na região de Brumadinho, em Minas Gerais. Estive em Mariana em 2015, quando houve o rompimento de uma barragem naquela cidade. À época propus mudanças na legislação sobre mineração com foco no meio ambiente”, escreveu.

Elmano Férrer lamentou a situação da cidade de Brumadinho e de seus habitantes.

“Lamentamos profundamente a situação na qual se encontra a cidade de Brumadinho. Durante o ano de 2018, após audiências, produzimos um relatório sobre a segurança das barragens e continuaremos em busca da execução de ações para que sejam evitados novos desastres”, declarou.

No mês passado, Elmano discursou no Plenário do Senado alertando que muitas barragens pelo país estavam em situação de risco. Dias antes, a Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR), da qual Elmano era integrante, aprovou relatório com recomendações para que o Brasil evitasse novos rompimentos de barragens. O documento resultou de duas audiências públicas na CDR sugeridas por Elmano.

Lama que vazou da barragem deixou rastro de destruição, varrendo construções e a vegetação ao longo dos rios da zona rural de Brumadinho
Foto: BMMG
Divulgação bombeiros

Negligência

O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) escreveu em sua conta no Facebook: “É muito triste mais uma vez termos que vir lamentar uma tragédia que poderia ser evitada, o rompimento de uma barragem de rejeitos em Brumadinho, com danos intangíveis na vida das pessoas e no meio ambiente. Minha solidariedade à comunidade de Brumadinho e de toda a região que certamente será fortemente impactada. Espero que as autoridades competentes possam tomar as medidas necessárias”.

Alvaro Dias (Pode-PR) afirmou, também no Facebook, que é uma tragédia repetida.

“Depois de Mariana, mais uma barragem se rompe em Minas Gerais, desta vez em Brumadinho. Nossa solidariedade aos mineiros”, escreveu Alvaro.

Por sua vez, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) afirmou no Facebook que, de novo, o grave acidente ocorre em uma barragem da Vale. Para ela, a empresa mostra que está sendo negligente na inspeção das barragens e no cumprimento de obrigações ambientais.

“Quantos lares serão destruídos ainda por conta da incompetência e má administração da empresa? Quantas vidas a mais serão perdidas? Pagar multa e indenização apenas após todo processo que irá correr pelo visto não pesará nos ganhos, já que a péssima gestão levou a mais esse incidente. O povo brasileiro paga o preço com a vida e perdas materiais pela segunda vez, depois da tragédia no município de Mariana. Solidariedade e todo apoio às famílias que estão sendo vítimas de mais um episódio infeliz protagonizado pela péssima gestão da Vale, e que levou ao rompimento das barragens”, escreveu Gleisi.
Senadores eleitos

Alguns senadores eleitos em 2018 e que tomam posse na próxima sexta-feira (1º) também comentaram a tragédia. Pelo Twitter, os futuros senadores Carlos Viana (PHS-MG) e Weverton (PDT-MA) prestaram solidariedade às vítimas.

Carlos Viana escreveu por volta das 15h desta sexta-feira (25): “Estou a caminho de Araxá acompanhando com preocupação mais um desastre ambiental em nosso estado. O rompimento da barragem de Córrego do Feijão é a confirmação de que, infelizmente, não aprendemos com o passado”.

Weverton considerou absurda a repetição de tragédias ambientais e humanas no país. Para ele, o acontecido mostra o resultado de uma mistura de impunidade e falta de fiscalização.

“Cheguei a apresentar emendas ao Marco da Mineração (MPV 790/2017), propondo que as mineradoras fossem responsabilizadas pela recuperação ambiental das áreas impactadas, por indenizações e mitigação dos impactos socioeconômicos e cultuais, tendo como exemplo o desastre acontecido em Mariana. As emendas não foram aprovadas. Mas essa é uma luta permanente e, infelizmente, os fatos mostram que precisamos ter uma legislação bem mais dura para evitar que as tragédias continuem se repetindo nesse ciclo constante”, registrou Weverton, que está concluindo seu mandato de deputado federal.

Agência Senado