Polícia Civil elucidam o brutal assassinato na estrada de Campo Alegre – Jornal Mensagem

Polícia Civil elucidam o brutal assassinato na estrada de Campo Alegre

 

 

Durante todo o dia 07, terça-feira, policiais da 5ª Delegacia da Polícia Civil investigaram o caso que causou espanto na população sandumonense, que foi a descoberta do corpo de um homem encontrado carbonizado às margens da estrada de acesso a Campo Alegre. As primeiras análises dos peritos levaram à suspeita de que o assassinato ocorreu nas primeiras horas da manhã do dia 07. A perícia técnica de Barbacena investiga as circunstâncias da morte. O crime chocou a cidade pela tamanha crueldade.

Resposta Rápida

Em menos de dez horas, os investidores Rogério Mendonça e Willer Guedes, sob o comando do delegado Dr. Cléber Faria Silva, conseguiram elucidar o caso, em que o criminosos, além de espancar a vítima, incendiaram o corpo e o abandonaram às margens da estrada de Campo Alegre, próximo à represa da Ponte Preta.

O Caso

Pela manhã de terça-feira, a Polícia Militar foi acionada para uma ocorrência de encontro de um cadáver, encontrado na estrada vicinal, e de acordo com as primeiras informações, tratava-se do corpo  de um homem, muito queimado e de difícil identificação.

Existe a possibilidade da vítima ter sido agredida a pauladas e, depois seu corpo foi covardemente queimado pelos assassinos.

Envolvidos

A perícia da Polícia Civil esteve no local realizando os trabalhos periciais e liberou o corpo para que a funerária o encaminhasse para o IML – Instituto Médico Legal.

No mesmo dia os investigadores da Polícia Civil entraram no caso e conseguiram esclarecer os fatos que causaram a morte da vítima, um homem negro de nome Erene Barbosa de Oliveira (Estivi), natural de Duque de Caxias, região Metropolitana do Rio de Janeiro. As investigações levaram até os suspeitos, que são conhecidos como Felipe e Ricardo, esse último réu confesso, bastante conhecidos por prestarem serviços de segurança na cidade.

Investigação

Os investigadores conseguiram informações de uma testemunha e conseguiram chegar até Felipe, que estava em frente à Rodoviária Hermínia Chaves Pedro com um fusca preto de sua propriedade. Após ser interrogado pelos policiais, Felipe acabou confessando a autoria do crime, levando em seguida a equipe da polícia até o segundo envolvido, de nome Ricardo.

O laudo do IML de Barbacena ainda não é conclusivo, mas há evidências de que a vítima ainda estava viva quando foi queimada pelos assassinos. O delegado Dr. Cleber, embora tenha conversado com o médico legista, mantém cautela quanto a maiores esclarecimentos e prefere aguardar as conclusões do lauto pericial.

Motivação

Segundo o delegado, a motivação do crime ainda está sendo esclarecida, mas tudo indica que a vítima havia furtado seu algozes, e que esses tinham também se aborrecido com a vítima, uma vez que esse cometia pequenos furtos na região que o assassinos ofertavam seu serviços como segurança, e que tal prática prejudicava os assassinos.

Depois de prestarem esclarecimentos às autoridades, os criminosos foram conduzidos ao Presídio da Suapi no bairro São Sebastião, onde estão à disposição da Justiça.

Com um pequeno efetivo e limitações materiais, os policiais da 5ª Delegacia de Polícia Civil de Santos Dumont têm dado grande contribuição à segurança pública da cidade e região.

Foto/Vídeo: TvMont

 

Perícia Técnica da Polícia Civil recolhe o corpo a ser periciado em Barbacena
Ao chegar ao local autoridades policiais constataram que o corpo carbonizado ainda estava em combustão.