Prefeitura e hospital buscam solução jurídica para débitos do Estado

Dívida com Prefeitura chega a 12 milhões

Na tarde de segunda-feira, dia 03, o prefeito Carlos Alberto de Azevedo reuniu-se com a direção do Hospital de Misericórdia, representado pelo provedor Ivan Amorim, e com os secretários de Administração e Saúde, José Geraldo de Almeida e Cláudia Paschoal. Próximo do fim do governo de Fernando Pimentel o panorama atual é bastante assombroso, isso diante de uma situação econômica caótica para o Estado.

Sofrendo com o caos financeiro que assola todos os municípios de Minas Gerais, a Prefeitura Municipal, a Secretaria de Saúde e a direção do Hospital de Misericórdia discutiram a situação econômica tanto do município quanto do hospital, situação essa agravada com a política adotada pelo governador Fernando Pimentel

Segundo fontes da Prefeitura Municipal a dívida do Estado para com o Município chegou a R$ 12 milhões de reais, e a falta destes recursos atrapalham a assistência básica. Por sua vez a dívida com o hospital chega próximo dos R$ 2 milhões de reais. O atual convênio do governo com o hospital está sendo sistematicamente descumprido. O governo de Minas tem previsão de déficit no orçamento do Estado para este ano de R$ 8 bilhões de reais. Já para o ano que vem a expectativa é de déficit de R$ 11 bilhões.

Em entrevista à imprensa nas redes sociais, o provedor Ivan Amorim comentou que o prefeito se comprometeu a repassar à entidade na próxima semana R$ 250 mil referente ao mês de outubro, e os valores referentes a novembros após 15 dias. Ivan afirmou ainda que ele está empenhando e imbuído em conseguir uma solução junto ao Estado, mas não descarta a via judicial.

Expectativa

Diante da mudança de governo em Minas, a perspectiva é que a situação não melhore da noite para o dia. O governador Romeu Zema terá que mostrar muito trabalho para cumprir suas promessas de campanha. Primeiramente terá que buscar recursos para sanear o Estado, quitando débitos com prefeituras, convênios e fornecedores. Não existe outra alternativa que não a da negociação.

Em conversa com o chefe de Administração José Geraldo na manhã do dia 05, ele disse à nossa reportagem que a Prefeitura estaria entrando com três ações contra o Estado. O Executivo buscar receber os recursos devidos pelo Estado em relação ao ICMS, FUNDEB e Saúde.

No mesmo dia nossa reportagem encontrou-se com o prefeito de Ewbank da Câmara, José Maria Novato, que afirmou que o Estado deve ao Município R$ 1,6 milhões, acrescentando que espera, após a posse do novo governo, uma solução para a questão, que segundo ao seu ver é muito grave.

Foto: Vídeo/Tvmont