Presidente da Fundação Casa de Cabangu anuncia fechamento do museu

Diante de uma grave crise financeira, o presidente da Fundação Casa de Cabangu, Tomás Castelo Branco, tornou público nas redes sociais na noite da última segunda-feira, dia 07, a definição do fechamento do Museu de Cabangu para a próxima segunda-feira, dia 14 de janeiro.

A notícia pegou a todos de surpresa, uma vez que a expectativa durante o último ano era que a entidade conseguisse sanear suas finanças quitando débitos trabalhistas e encargos.

Tomás, visivelmente abatido, expôs a situação crítica que a instituição vive e comentou a falta de repasses da Prefeitura, que pagou apenas uma das cinco parcelas devidas. Pressionado, o Poder Público afirmou que o convênio é uma mera colaboração e que não existe obrigação de repassar recursos, uma vez que a prefeitura não possui recursos em caixa. À imprensa, a Prefeitura justificou através de nota as dificuldades enfrentadas, afirmando que o dívida do Estado para com o Município já está próximo dos R$ 13 milhões de reais, inviabilizando diversos investimentos e apoio a entidades culturais e assistenciais do município.

Campanha

Para encerrar um círculo vicioso em que está inserida, em que Fundação Casa de Cabangu não consegue subvenções por não ter as necessárias certidões negativas de débito, foi iniciada uma campanha, criada pela Secretaria Municipal de Turismo e abraçada por várias entidades, que  visava arrecadar R$ 177 mil reais. Para isso a foi contratado um site www.kickante.com.br especializado na arrecadação deste tipo de campanha. Vários veículos de comunicação abriram espaços em suas programações e linhas editoriais para divulgar essa importante campanha. Todos que participaram viam como uma oportunidade da comunidade dar um novo alento à instituição. Várias reuniões entre secretários de governo e instituições interessadas na recuperação da Fundação aconteceram.

Resultado final

Com expectativa de ter os R$ 177 mil arrecadados, a campanha tinha prazo para captar esses recursos até 31 de dezembro do último ano, mas como resultado final aferido foi captado apenas R$ 7.070,00, 3% do valor esperado. Durante a arrecadação, a cada valor doado haveria uma recompensa a ser concedida. Para R$ 25 e R$ 50 reais de doação, a Fundação fará um agradecimento público aos doadores; para o valor de R$ 75 reais, será conferido um chaveiro do Museu Cabangu; com R$ 125 reais, o doador receberá uma camisa do Museu Cabangu; com a doação de R$ 250 reais, o doador receberá um livro sobre Alberto Santos Dumont – “Brasileiros Voadores”, dos escritores Laurete Godoy e Jorge H. Dodsworth; com R$ 500 reais o doador receberá uma cópia autenticada com selo de Carta de Santos Dumont, escrita de próprio punho pelo inventor; com uma doação de R$ 1 mil reais, o doador terá direito a um Jantar de Gala no Museu com acompanhante; e com doações de R$ 10 mil reais, o doador teria direito a uma Medalha e todos os outros itens anteriores.

Desfecho

Com o encerramento da campanha e na não obtenção do êxito em conseguir o financiamento público privado para a Fundação, o presidente Tomás Castelo Branco, na noite da última segunda-feira, anunciou nas redes sociais sua intenção de fechar a visitação pública ao Museu Cabangu na próxima segunda.

Na manhã de terça-feira, dia 08, um dos idealizadores da campanha, Tiago Guimarães, pediu exoneração de seu cargo de Diretor da Divisão de Turismo. Nas redes sociais ele divulgou a seguinte nota: “COMUNICADO AOS AMIGOS – Hoje pedi minha exoneração do cargo de chefe de Divisão de Turismo de Santos Dumont. Agradeço primeiramente a Deus por possibilitar a experiência e a todos que apoiaram as ações e tentativas de estabelecer uma valorização maior de nosso município.

O Amor e a caminhada em prol da Cultura e o Turismo continua. Sigo com a AMA-SD (Ação em Movimentos Artísticos de Santos Dumont), a Abaquar Cult, e claro, volto como Instrutor de Formação Artística no CEMAM (Centro Municipal Artístico e Musical – Johann Sebastian Bach), onde dentro da sala de aula voltarei a gerar valor para nossos futuros artistas músicos. Deus na frente. Avante”.

Após o comunicado houve muitas manifestações de solidariedade em seu favor.

Diante da impossibilidade de receber recursos públicos, fica uma grande dúvida quanto aos rumos que a Fundação Casa de Cabangu vai tomar.

Fotos: Redes sociais

Tomás Castelo Branco – presidente da Fundação Casa de Cabangu.
Museu Cabangu pode ser fechado a visitação pública, a partir desta segunda-feira, 14 de janeiro