Programa DST/Aids realiza prevenção da sífilis no centro da cidade

O Programa Municipal DST/Aids promoveu uma Mobilização de Prevenção de Sífilis no centro da cidade, com disponibilização de testes rápidos HIV, Sífilis, Hepatite B e C, no Paço Municipal,  na manhã de sábado,  dia 27.

A ação de saúde contou com a participação de uma equipe de nove profissionais da área, que atuaram prestando informações e fazendo o cadastro inicial dos interessados no calçadão e  realizando os testes rápidos na Prefeitura.

A sífilis é uma doença infecciosa transmitida pela bactéria treponema pallidum, que pode levar a problemas de fertilidade e até a morte se não tratada. A transmissão se dá durante a relação sexual ou de mãe para filho, pelo sangue, durante qualquer fase da gravidez. Os bebês podem sofre malformações no sistema nervoso, perder a visão ou a audição e até mesmo morrer. No pré-Natal o teste de sífilis deve ser feito no 1º e no 3º  trimestre. A prevenção mais importante contra a doença é a camisinha.

A coordenadora do Programa DST/Aids Fabiane Barbosa de Moraes Nascimento explicou que a exemplo do Brasil que vive uma epidemia de sífilis, no nosso município  houve um aumento considerado dos casos nesses últimos dois anos. “Em 2015/2016 houve uma percepção de que Santos Dumont refletia a situação vivida no país, apresentando um número muito elevado de casos de sífilis”

Segundo Fabiane a sífilis é curável, mas tem que ser tratada pela pessoa infectada e também por seu parceiro.  “Se o sexo for sem proteção é importante fazer o teste rápido e caso algum dos parceiros tenha contraído a doença, o outro parceiro precisa ser informado imediatamente para que se trate e não haja mais risco de contaminações”.

O teste rápido detecta o vírus no organismo. Nesses casos, a pessoa é encaminhada para teste laboratorial para confirmar se a doença está ativa no organismo. O resultado do teste rápido sai em 15 minutos.

Na fase primária da sífilis – de 10 a 90 dias – aparecem feridas na região genital e é quando mais se transmite a doença se a relação sexual ocorrer sem camisinha. Na sífilis terciária não tratada, a doença provoca sérias complicações ao sistema nervoso.

A principal causa do Brasil viver hoje uma epidemia de sífilis é a falta de uso do preservativo na relação sexual, principalmente entre os jovens e adolescentes que não temem mais a  Aids, devido ao sucesso dos tratamentos antirretrovirais que afastaram da doença o rótulo de fatal. Outro motivo ainda é a omissão da doença porque pressupõe traição.

As campanhas continuarão ao longo do ano no município, chamando a atenção para o uso de preservativos nas relações sexuais, e os testes rápidos podem ser feitos diariamente no Centro de Saúde Samaritano – Programa DST/Aids, de 7h30 às 12h30.

Se você teve relação sexual sem proteção, faça o teste rápido. Proteja a sua saúde e também a do seu parceiro!

ASCOM: PMSD