Santos Dumont ganha sua primeira Feira Literária – Jornal Mensagem

Santos Dumont ganha sua primeira Feira Literária

Durante as festividades dos 145 anos do nascimento do inventor Alberto Santos Dumont comemorado no dia 20 e o 129 aniversário de emancipação política da cidade de Palmyra ocorrida no dia 27 de julho de 1889, e hoje o município possui o nome de Santos Dumont. A primeira Feira Literária, leva o sugestivo nome de Flisd.

Curadores da Flisd – Luciane Vianna , Bruno Guilarducci, Alessandra Batista, Ana Maria, Munique Duarte, Tiago Guimarães e Sheila Naves

Nossa reportagem procurou uma das curadoras do evento, que é a jornalista e escritora Munique Duarte, que teceu comentário a respeito da Flisd e seu surgimento.

 “A ideia da Flisd, tem até um nome sugestivo, porque tem o SD de Santos Dumont e daria certo chamar de Flisd, assim como tem a FLIP, a Fliminas, a Flipoços e a Flipelo, que é do Pelourinho. Então por que não termos uma Flisd aqui em Santos Dumont, uma feira literária. A gente já vimos uma feira literária nas escolas públicas e particulares, tendo como público os alunos, feitas por professores. Eu sempre pensei em tirar isso da sala de aula, para a cidade toda, para a população, e por que não para que tudo mundo possa participar, Continuando claro nas escolas e trazendo às escolas para verem o que a gente tem na Flisd. Então com essa ideia toda de uma feira literária, eu procurei o apoio do Tiago Guimarães, pois seria possível realizar isso dentro da cidade. Ele prontamente ouviu a minha ideia e já pensou em algo, que planejasse alguma coisa e acabou que a gente fez para o aniversário aqui da cidade, em julho deste ano. Fui tudo muito corrido, com a preparação, com os convites, mas nós conseguimos esse nosso primeiro modelo. Este modelo é simples de dois dias, com a abertura hoje dia 24, depois temos uma programação para todo o dia 25, todo o dia 26, com oficinas, whorkshop, roda de conversas, palestras, comunicações, exposição de fotos, ilustrações. Pois feira literária não é só falar de literatura, mas abre espaço para outras manifestações artísticas e culturais, ele é abrangente. Tudo isso nós conseguimos em uma programação de dois dias. Ficou muito legal, completa e com muitos artistas de Santos Dumont. Estudiosos, palestrantes, teremos o lançamento de dois livros , da Fernanda Pittella e Lucas Vieira todos nascidos em Santos Dumont.  Que moram ou as vezes não moram mais, para as pessoas daqui nós conseguimos uma programação completa. Isso para que o sandumonense saibam que a nossa cidade tem muitos talentos e artistas. O objetivo da Flisd é esse. A gente vai também  vender livros porque é uma feira, a gente não só vai vender livros, mas acima de tudo incentivar o hábito da leitura, muito mais do que isso despertar o prazer da leitura e também criar um espaço de discussão de debates, para a gente debater turismo, patrimônio, cultura a própria literatura, é o encontro de pessoas que sobre debater cultura e uma produção literária. Então a Flisd reúne isso tudo e ano que vem nós pretendemos com mais calma fazer um formato maior, com mais dias, participantes de fora, a gente quer convidar pessoas e fazer o evento crescer. Na curadoria, além de minha participação, estão Luciane Augusta Vianna , Bruno Guilarducci, Tiago Guimarães, Ayesha Luciano, Alessandra Batista, Ana Maria Marques Dias e Sheila Naves.

A 1º Flisd tem como tema, “Pela vielas encontrei Celestina”, esse autor não é de Santos Dumont, mas no final do século IXX ele escreveu um livro chamado Celestina, e foi todo ambientado na cidade de Santos Dumont. Nas ruas de Santos Dumont no tempo do Arraial de João Gomes. Então essa obra é raríssima, e nós valos falar dela durante a programação da Fisd, e também da cidade de Santos Dumont. Por isso que a gente quis homenagear Fernando de Alencar, que é o autor da obra. Daí a escolha do tema da Flisd é “Pelas vielas encontrei Celestina”, é o tema da nossa primeira edição”.