Temer cobra cumprimento do acordo e diz: o País não pode parar

Ao reforçar nesta sexta-feira (25) que o País não pode parar, o presidente da República, Michel Temer, cobrou o cumprimento do acordo pelo fim da paralisação dos caminhoneiros. Para o presidente, a população não pode ser prejudicada pelo movimento da categoria, que já prejudica o dia a dia dos brasileiros.

“Quem bloqueia estradas, quem age de maneira radical está prejudicando a população e, saliento, será responsabilizado. Vamos garantir a livre circulação, vamos garantir o abastecimento. O acordo está assinado, e cumpri-lo, naturalmente, é a melhor alternativa”, afirmou.

Um dos ministros diretamente envolvidos na negociação com representantes da categoria, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, destacou a necessidade de as entidades cumprirem o que foi assinado na noite de quinta-feira (25). “Quando se faz um acordo se tem como pressuposto que todos vão cumprir. Nós estamos cumprindo e vamos cumprir na medida que venha a contrapartida dos caminhoneiros”, afirmou o ministro.

Compromissos

Entre os compromissos firmados, está a diminuição da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre o diesel. Esse tributo irá cair a zero. Além disso, será dada a redução de 10% nos preços do combustível nas refinarias por 30 dias seguidos. Com o diálogo e a negociação entre governo e caminhoneiros, foi possível chegar a 12 pontos que contemplam as necessidades dos trabalhadores e não prejudicam o País e a economia. O acordo foi assinado por nove entidades, representantes de caminhoneiros e do setor de transporte, e por cinco integrantes do Governo Federal.

Governo do Brasil